segunda-feira, 21 de março de 2011

Guilherme Lima, atleta Run&Fun, saiu correndo de casa para o trabalho. Literalmente.





Confira a aventura do atleta pelas marginais paulistanas*, em um trajeto de 5,5 km e o que ele tirou como lição da experiência.


Durante esta semana tive vir que para o escritório em horários que não estava acostumado e o padrão de transito caótico. Em todos os dias foi pelo menos 1:10h dentro do carro num trajeto de 6,8km. Patético.

Hoje em função de uma reunião interna que teria às 9:30h e tb por ser sexta feira, resolvi vir andando. Simples assim. Botei um par de tenis no pé, uma camiseta de Dry-fit e Rua!

Sai de casa às 8:30h com objetivo de cumprir os 5,5km (por ser a pé, o trajeto é menor) em menos de 1h. Durante o caminho o que vi, foi um descaso total com qualquer pessoa que queira andar. Não tem uma calçada no percuso Ponte João Dias-Ponte do Morumbi (sentido Interlagos), lixo+lixo+lixo. Tudo isso soma-se ao fator perigo de virar pastel de asfalto, sendo atropelado por um onibus bi-articulado.


O que fui percebendo enquanto estava pela Marginal, é no percurso, a fumaça se fazia muito presente e o barulho muito alto. Por isso, no gráfico “Caminhada Saudável X CO2 na cara” o saldo foi negativo, porém cheguei em 52 minutos e com tempo de sobra. Meia hora antes se viesse de carro comparado a média da semana.


Mas foi legal pra conhecer um pouco mais dessa cidade contagiante. Deu pra sentir nas veias a agitação de uma cidade que nunca dorme e nunca para. E tb pela atitude de deixar o carro em casa em colocar menos poluição no ar.

Não sei se faço isso novamente. Pelo menos enquanto não colocarem calçadas no mínimo.

Isso só me estimulou a lutar pra ter uma cidade mais organizada e mais planejada. Pode ter certeza que vou levar isso adiante.


NÃO RECOMENDO ISSO A QQ PESSOA.


P.S: para aqueles que se preocuparam com suador, não se preocupem. Experimentem o Natura Banho de Gato. Resolve muito neste tipo de situação.


* O relato e as fotos foram publicadas no perfil de Guilherme no Facebook em 18/03. Sua reprodução, aqui neste blog, foi autorizada pelo autor!




Um comentário:

  1. Guilherme, cumpro 30k diários correndo pelo caminho casa-trabalho-casa. Sei bem o que você está falado. Tomo todo dia esse trajeto: Rodovia Raposo Tavares-Eusébio Matoso-Lineu de Paula Machado-Ponte Cidade Jardim-Bandeirantes-Rua Gomes de Carvalho. Não é nem um pouco fácil. Das poucas calçadas que existem para circular poucas delas são razoavelmente boas. As que são boas ainda tem tampões de boeiros que são verdadeiras armadilhas. Em algumas é necessário saltar para não cair dentro. Sem contar, claro, em motoristas de automóveis, ônibus e motoboys que dão sempre um jeito de desrespeitar o pedetre e ignorar completamente o fato de que você precisa atravessar a rua. Se você precisa de alguém que o incentive a fazer essa mudança, encontrou um parceiro. Ah! Quanto a audição e poluição, providenciarei um protetor auricular pra não perder a audição. Para a poluição, a única solução que encontrei até o momento são as máscaras. É estranho correr com esse tipo de apetrecho, mas é o que há. Abs.

    ResponderExcluir