segunda-feira, 30 de maio de 2011

Obesidade. Podemos evitar medicamentos e a cirurgia?


Por: Dr. Henrique Grinberg. Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e pelo Instituto do Coração / HC - FMUSP

Recentemente foi divulgada uma pesquisa pelo Ministério da Saúde sobre o aumento do número de casos de obesidade e sobre peso na população brasileira. Cerca de 60 % da população possui sobre peso ou obesidade, dado preocupante para os setores de saúde, devido à associação entre descontrole do peso e as doenças metabólicas/cardiovasculares, como a hipertensão, o diabetes, o colesterol alto, etc, além dos problemas ortopédicos e pulmonares.

A relação entre o peso e a estatura ao quadrado define o índice de massa corpórea (IMC). Essa relação é usada para o diagnóstico e classificação da obesidade. Confira tabela abaixo:

Classificação

IMC ( peso/altura2 )

Baixo peso

< 18

Normal

18 – 24,9

Sobrepeso

25 – 29,9

Obesidade grau 1

30 – 34,9

Obesidade grau 2

35 – 39,9

Obesidade grau 3

≥ 40

Um dos pilares da cardiologia preventiva é o controle do peso através da dieta hipocalórica e atividade física regular, com impacto importante nas comorbidades associadas como a hipertensão, o diabetes e o colesterol alto. Porém a conscientização e a força de vontade é que vão determinar o sucesso dessas intervenções.

Portanto se você está acima do peso faça dieta com redução do aporte energético diário. Ou seja, coma menos calorias, diminua a quantidade de alimentos gordurosos e faça atividade física regular. Opte pelos exercícios aeróbios, cíclicos e contínuos, além dos exercícios de resistência e relaxamento muscular. Trabalhem grandes grupamentos musculares com caminhada, ciclismo, natação e corrida. Nas fases iniciais do treinamento se exercite de forma leve, 40 a 60 minutos por dia, três dias da semana e o aumento do volume e da intensidade deve ser gradativo e sob orientação técnica. Recomenda-se realizar teste ergoespirométrico entes de iniciar o programa para adequação das planilhas de treinamento, que são baseadas nos parâmetros fisiológicos adquiridos no exame.

A abordagem multidisciplinar, que envolve médico, educador físico, nutricionista e fisioterapeuta, é fundamental e estamos preparados para esse desafio juntos!

Respondendo a pergunta acima, é possível sim!!! E essa é a forma mais saudável de adequar o peso e promover a saúde, evitando uso de medicamentos com efeitos colaterais indesejáveis, cirurgia e doenças no futuro.

Boa semana para todos nós!

Nenhum comentário:

Postar um comentário