quarta-feira, 25 de abril de 2012

Vítimas de parada cardiorespiratória: os primeiros socorros podem ser feito por você.

O suporte básico de vida (SBV), tradução de basic life suport (BLS) é o nome dado para um conjunto de medidas que visa dar suporte para vítimas de parada cardiorespiratória. Esse treinamento está protocolado e suportado por pesquisas científicas que garantem a eficácia dos procedimentos executados no cenário das paradas cardiorespiratórias. A associação americana de cardiologia (AHA – American Heart Association ) é a responsável pela divulgação mundial desse treinamento e no Brasil várias instituições são habilitadas para ensinar profissionais da saúde e leigos no assunto.

Recentemente veiculou na mídia episódios de morte súbita (MS) em atletas jovens (3 jogadores de futebol com 14, 24, 25 anos e 1 jogador de voley aos 37 anos), uma só foi revertida com sucesso, após intervenções baseadas no SBV, principalmente porque o atleta recebeu, no tempo adequado, a desfibrilação com aparelho chamado DEA (Desfibrilador Externo Automático), popularmente chamado choque no peito, além da massagem cardíaca (corretamente chamada de compressões torácicas), das ventilações e do suporte avançado.

O treinamento do suporte de vida deve ser divulgado para a população, e obrigatório para as pessoas que lidam com atletas nos treinamentos e nos jogos. É ensinado para as pessoas através de curso protocolado e capacita o indivíduo para atuar frente situações de morte súbita e literalmente ressucitar a vítima. Nada disso vale se o DEA não está disponível próximo à cena do incidente.

Desde 2008 há uma lei na cidade de São Paulo que exige a presença do DEA e de pessoas habilitadas para usá-lo, em locais com circulação diária de pelo menos três mil pessoas ou que concentram no mesmo momento ao menos 1,5 mil pessoas.

A grande maioria das MS em atletas é devido à arritmias malignas chamadas de fibrilação ventricular e taquicardia ventricular sem pulso e a única medida eficaz contra elas é a desfibrilação.

Dr. Henrique Grinberg
Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e pelo Instituto do Coração – HC-FMUSP
Médico Cardiologista do Hospital Sírio Libanês – SP e do Hospital Nipo Brasileiro - SP
henrique.grinberg@hotmail.com

segunda-feira, 16 de abril de 2012

5K e Meia Maratona CORPORE


Em meio as 7 mil pessoas que correram pelas ruas de São Paulo neste domingo, 40 atletas Run&Fun marcaram presença. 

Confira alguns destaques da nossa equipe:

- Silvia Mayumi Takei estreiou e completou sua primeira meia, estava super feliz!
- Rodolfo Senra melhorou seu tempo em 20 segundos.
- Nicole Arruda fez sua 2ª prova de 5km e terminou em um sprint bem forte.
- Fernando Inácio também estreiou nas pistas, completando os 5km. 
Parabéns atletas!










quarta-feira, 11 de abril de 2012

Remédios para emagrecer cada vez mais restritos


A obesidade é considerada um importante problema de saúde pública no mundo atual e cada vez mais os índices relacionados ao descontrole do peso aumentam. O  desenvolvimento das doenças cardiovasculares, distúrbios metabólicos, problemas ortopédicos, entre muitos outros malefícios, preocupam as autoridades por piorar a qualidade da saúde e pelo aumento dos gastos públicos.

Atualmente vivemos a era dos medicamentos usados para emagrecer. Cada vez mais, pessoas acima do peso ideal buscam esses medicamentos para perder seus quilinhos, porém, muitas vezes usam os “emagrecedores” sem critério, de forma inadequada e o pior de tudo correndo sérios riscos de saúde frente aos diversos efeitos colaterais que o uso inadequado pode trazer. Culpa de quem? Não é o que estamos discutindo. Porém os profissionais de saúde são mais responsabilizados .

Recentemente ouvimos muito sobre os “emagrecedores” não só no meio médico, mas também na mídia. E após muitos casos relatados de seus eventos adversos, comercializá-los está mais difícil nos dias de hoje.
Recentemente membros do comitê do FDA (Food and Drug Administration) votaram 17 a 6 a favor da comprovação de segurança dos “emagrecedores” pelas indústrias farmacêuticas. Ou seja, esses medicamentos só serão comercializados após estudos com grande rigor científico, demonstrarem eficácia e segurança.

Os remédios para emagrecer têm sua importância e a aplicação clínica deve ser criteriosa. Qual medicamento e para quem? Sempre devemos responder essa pergunta antes de indicar um novo medicamento.

Nossa!! Quantos problemas envolvendo remédios para perder peso. Controlar a dieta, comer saudável e praticar atividade física regular podem ter resultados muito melhores!

E dispensa votações e grandes preocupações.


Dr. Henrique Grinberg
Especialista em Cardiologia pela Sociedade Brasileira de Cardiologia e pelo Instituto do Coração – HC-FMUSP.
Médico Cardiologista do Hospital Sírio Libanês.
henrique.grinberg@hotmail.com

terça-feira, 10 de abril de 2012

Fotoprotetor: "equipamento" de uso contínuo!


A pele é o maior órgão do nosso corpo e necessita de grande cuidado.

Há alguns anos a Academia Americana de Dermatologia (AAD) e a Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) preconizam o uso de fotoprotetores com FPS acima de 30.

Esse número de FPS é indicativo de proteção apenas de raios UVB. Para você realmente obter a proteção indicada no seu fotoprotetor é necessário a quantidade de 2mg/cm2, ou seja, uma grande quantidade de fotoprotetor em cada centímetro da sua pele. Pesquisas no mundo inteiro mostram que os consumidores aplicam uma camada insuficiente de protetor solar (menos de 2mg/cm2): 0,5 -1mg/cm2. Quando o consumidor aplica uma camada menor que o preconizado, o número de FPS diminui bastante, dando a falsa sensação de estar protegido.

Um artigo desse mês da revista da AAD demonstrou que fotoprotetores acima de 70 fornecem uma boa proteção, mesmo quando aplicado em quantidade insuficiente. Esse artigo comenta que os fotoprotetores acima de 70 atende aos níveis mínimos de proteção contra o câncer de pele e prevenção do fotoenvelhecimento.

Atenção na composição do fotoprotetor para que ele contenha uma boa proteção também contra UVA e luz visível, o seu dermatologista pode indicar o melhor para o seu tipo de pele, adequado aos seus hábitos. O fotoprotetor ideal deve conter filtros químicos e físicos, com boa cosmética.

Não esqueçam de aplicar em todas as áreas fotoexpostas, não esquecendo das orelhas, nuca, pescoço, mãos, braços e colo. E também de utilizar outro métodos de fotoproteção, como roupas adequadas, bonés e viseiras.

Como o assunto é complicado, podem mandar emails com dúvidas que terei o maior prazer em responder!

Aguardem: foi anunciado no congresso da AAD em San Diego o lançamento no Brasil de um adjuvante oral na fotoproteção, bem indicado para quem possui fotodermatoses como manchas (melasma) ou outras doenças relacionadas com a exposição solar.

Dr. Carlos Eduardo Nunes

Dermatologista
eduardo.nunes@me.com