domingo, 21 de dezembro de 2014

10 dicas de presentes para corredores


Que tal presentear aquele amigo que ama correr com algo que tem tudo a ver com a atividade? Aproveitando a época de amigo secreto, confraternizações e o Natal, separamos algumas dicas para te ajudar na hora de decidir o que dar de presente.


Nossa seleção vai de simples lembrancinhas, para não passar em branco, a presentes mais caros para aquela pessoa especial. ;)



O importante é agradar com algo que a pessoa vá mesmo utilizar. Afinal, todo atleta é muito orgulhoso do que faz, por isso um simples pingente personalizado pode ser uma baita surpresa!







Para elas....

Camiseta personalizada
Existem diversas lojas online para customização de camiseta. Que tal se inspirar e você mesmo "produzir" o presente?




Pingente 
Essa é uma sugestão para a atleta vaidosa que adora colar, pulseira brinco etc. É só dar uma pesquisada rápida na internet que você encontra diversos tipos de bijuterias ou jóias com símbolos que relacionem à corrida. 




Para eles

Viseira
Pra enfrentar o verão e o sol de rachar,com certeza uma viseira será um presente super útil e prático. Além de estimular aquele amigo que não curte usar filtro solar, a começar já a se proteger do sol. Feita de poliéster, é leve, fácil de lavar e seca rápido para o próximo treino. Mais detalhes aqui.




Short de compressão masculino.
Uma dica de presente para o amigo aposentar o shorts antigo. Este não é um shorts comum, possui uma bermuda interna de compressão ideal para treinos longos. Preço: R$89,00






Unissex

Porta Medalhas
Os símbolos das conquistas não merecem ficar guardados dentro de qualquer gaveta, não é mesmo? Um porta medalhas, além de útil para organizar, serve como inspiração - afinal é motivador querer preencher com mais medalhas e sempre deixar a mostra para lembrar de boas histórias e de cada superação.


DVD
O premiado filme de Lina Chamie é um presente que deve surpreender qualquer atleta. Neste filme o ator Fernando Alves Pinto corre com uma câmera e registra o caminho da São Silvestre, os atletas, a cidade, o movimento. 
É muito interessante ver como a cidade se transforma.
Disponível em DVD na livraria Cultura e Livraria da Vila.






Inscrição para uma prova
Essa é a dica do nosso treinadores André Pereira. Mas você deve perguntar: como eu posso dar uma inscrição em forma de presente? Afinal, apenas falar que vai pagar a inscrição para o amigo não tem graça, não é? Como não dá para entregar o kit de corrida como o presente, por exemplo, você pode fazer a inscrição e preparar um cartão bacana escrito "Vale uma inscrição na meia do Rio" e colocar dentro de uma caixa de presente! Que tal?




Tênis
Esse aqui já precisa de um investimento maior, mas é um baita presente!. Afinal, quem não gosta de tênis de corrida, né? Mas para acertar em cheio é importante saber não só o número, mas também o tipo de pisada e marca de preferência. O modelo da foto é o Mizuno Wave Prophecy 3 que conta com tecnologia que aumenta a performance do atleta e diminui o risco de lesões. Informações aqui.






3 meses de assessoria esportiva
Que tal dar surpreender aquele amigo, irmão ou namorada que quer começar a correr mais ainda está na fase do "mês que vem eu começo", "estou pensando"? Um grande incentivo é dar 3 meses de treino. Depois chame para treinar com você, assim você apresenta como funciona, faz os primeiros treinos juntos, ajuda a entender a planilha de treinos e assim consegue passar a sua motivação para ele ou ela. 




Relógio Garmin
Os relógios da Garmim são objetos de desejo de 9 entre 10 atletas. A marca oferece opções mais simples, para quem está começando a correr até as mais complexas para atletas de alta performance, como o da foto. 







Esperamos que tenha gostado das dicas e que te ajudem a decidir o que dar de presente. Por fim, fica uma ideia de árvore de Natal diferente e que dá uso as tantas medalhas. ;) Feliz Natal!

photo by blog run-halfway





segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

2º Prova de Revezamento Run e Fun

No último domingo, 7 de dezembro, promovemos a 2º Prova de Revezamento no Centro Olímpico de São Paulo.




Mais do que uma prova que reúne a equipe Run e Fun, atletas e seus familiares, que são super bem-vindos, este é também um evento de confraternização e que ajuda a manter vivo o Esporte Solidário. Isso porque toda a renda obtida com as inscrições é destinada a manutenção desse projeto idealizado em 1999 por Mário Sérgio Andrade, diretor da Run e Fun e presidente da Associação Esporte Solidário.





Uma breve história do Esporte Solidário…

O Esporte Solidário  tem a missão de "através da prática esportiva contribuir para o desenvolvimento integral da criança e do adolescente, promovendo assistência e saúde, incentivando a educação formal e o acesso à cultura, e despertando talentos em todas as áreas”. Por isso atende quase 300 crianças e adolescentes entre 7 e 18 anos, moradoras de comunidades da zona oeste de São Paulo, próximas a USP, onde tudo começou. Mário Sérgio queria que as crianças que guardavam os carros na USP tivessem a oportunidade de praticar esporte e até mesmo fazer disso uma profissão.

O projeto atua em três áreas: Programa Esportivo (atendimento direto com modalidades esportivas: Atletismo, Natação, Basquete e Futuro Firmeza), Programa de Saúde (ações de formação e encaminhamento médico) e Programa Família Solidária (ações junto aos familiares dos educandos). Dessa forma atende não só aos jovens, mas indiretamente, as suas famílias.



O sucesso da 2º Prova de Revezamento Run e Fun!

Ficamos muito felizes com a grande participação dos nossos atletas. O número de inscritos este ano foi muito maior do que no ano passado, e quase batemos o limite de participantes com mais de 300 inscrições. E com a marca de 100 crianças!

Com o resultado disso, foi captado o suficiente para que o nosso projeto tenha mais força e atenda mais crianças e jovens que podem se tornar futuros atletas!


Na palavras de Mario Sérgio abaixo, fica a gratidão em nome da Run e Fun pelo envolvimento de todos:


"Ver quase todas as 400 inscrições preenchidas, cerca de 100 crianças correndo, sendo muitas delas, na sua primeira participação em um evento esportivo e a alegria no rosto de nossos atletas e treinadores tornou a manhã desse domingo inesquecível. Para completar  ainda conseguimos ajudar centenas de crianças e adolescentes carentes do projeto Esporte Solidário, mostrando que simples gestos podem ajudar ao próximo. Valeu atletas, treinadores, colaboradores, patrocinadores e fornecedores! Vocês fizeram o sucesso desse evento. Em 2015 tem mais."











É isso aí! Em 2015 tem mais! \o/

sexta-feira, 21 de novembro de 2014

Mizuno Uphill Marathon de 2015 abre inscrições em 21 de novembro

Edição do próximo ano terá uma série de novidades, começando pela realização em agosto e a largada à tarde, com chegada noturna

      

Ineditismo foi a palavra que marcou a primeira edição, em 2013. Em 2014, a prova foi dramática e entrou para a história das maratonas brasileiras como uma das mais difíceis e desejadas do País, com o acréscimo da forte chuva e dos ventos que chegaram a cerca de 90 km/h. E a Mizuno Uphill Marathon de 2015 promete ainda mais emoções para os ninjas que conseguirem se inscrever já a partir das 12h42 do próximo dia 21 de novembro, no site www.mizunobr.com.br/uphill. No total, serão 300 vagas. Se você é atleta RuneFun confira a informação no final do post.




As novidades para a prova de 2015 começam pela data de realização, antecipada para o dia 1º de agosto. Além disso, a largada acontecerá às 16h30, ao contrário das duas edições anteriores, que ocorreram pela manhã. Dessa maneira, os atletas poderão apreciar o pôr-do-sol da Serra do Rio do Rastro, e enquanto correm, seguirão pela estrada inteiramente iluminada até o final, num dos cenários mais deslumbrantes do país.



“Decidimos abrir as inscrições mais cedo após vários pedidos de atletas interessados na prova e que, dessa maneira, terão mais tempo de se preparar. Como ficou provado nas duas edições que realizamos até agora, esta não é uma maratona qualquer, é uma corrida que exige o máximo em termos de preparação física e psicológica”, explica Rogério Barenco, gerente da Mizuno no Brasil.

Serão quatro opções de inscrição: apenas participação na prova, por R$ 165,00; inscrição e transporte de Bom Jardim da Serra para Treviso após a chegada, por R$ 200,00; inscrição mais a edição especial do Mizuno Wave Sayonara Uphill, por R$ 499,90; e por fim, inscrição, transporte e tênis por R$ R$ 534,90. Nos combos com o tênis, o frete é grátis.



O percurso de 42,195 km permanece o mesmo, com início em Treviso, passando por Lauro Muller e chegada em Bom Jardim da Serra, a 1.418 metros de altitude. No total, os corredores percorrerão exatas 256 curvas. O tempo limite para completar a prova também será o mesmo, 6 horas.


A área de chegada também terá novidades: a Mizuno criará um lounge especial para acomodar os ninjas.


É atleta Run e Fun?

Se sim, envie email para inscricoes@runefun.com.br solicitando informações sobre as inscrições.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

O que é pace?

Foto by Jenna



Quando começamos a correr alguns termos passam a fazer parte do nosso dia a dia de treino. E para melhorar a performance é preciso conhecê-los. Por exemplo, você está lá na esteira fazendo aquele trotinho e vê que no display da esteira está marcando tempo, distância um tal de pace. Por isso, pedimos ao nosso direto técnico, Renato Dutra, explicar o que é e como funciona. Dá uma olhada.

Pace é o termo em inglês para o que antigamente falávamos Ritmo. Corresponde a uma intensidade de corrida. Há várias intensidades, isto é, paces para treinar corrida.
Basicamente temos quatro zonas para treinos:



ZR (muito Leve) : na Run e Fun denominamos esta zona de ZR que corresponde a um esforço muito leve. Fica geralmente entre 60 e 70% da FC máxima. Bom para iniciantes ou aquecimento e desaquecimento dos treinos.

ZM (leve): chamamos de ZM e é muito usada para treinos leves e contínuos e/ou nos longos para meia e maratonas. Fica entre 75 e 85% da FC máxima.

ZE (moderado): chamamos de ZE e é usada em menor quantidade para treinos com tiros longos (acima de 5 minutos). Fica entre 85 e 90% da FC máxima. Esta é uma intensidade que consideramos "perigosa", pois é fácil o atleta exagerar, mas fugindo da proposta do treino.

ZT (forte/difícil): chamamos de ZT e é usada com muita parcimônia. Apenas para tiros curtos (de até 5minutos). Fica acima de 90% da FC máxima. Contra indicada para iniciantes.








Enfim, o importante é saber que há 4 paces diferentes, cada qual com sua função fisiológica de treino e que devem compor a rotina semanal do corredor. E é muito importante ter e seguir a orientação de um treinador para que os treinos sejam eficazes e seguros.


Se você está treinando sozinho é importante saber como usar essas diferentes variações que mostramos acima. É com um treino bem montado que você melhorará o seu desempenho.

A Run e Fun oferece assessoria de caminha e corrida tanto presencialmente, no Rio, São Paulo e BH, como também à distância. Você pode ter um treinador à sua disposição mesmo sem estar presente nos locais de treinos e receber semanalmente uma planilha personalizada. Para saber mais acesse www.runefun.com.br

sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Dicas para a Maratona de Amsterdã







A Maratona de Amsterdã já está aí e por isso nosso diretor técnico, Renato Dutra, comenta os principais pontos de atenção para quem vai participar.

Adaptação ao fuso horário. O ideal é que o corredor procure dormir e acordar mais cedo, pois na maratona o horário de largada será por volta das 4:30 a.m. Há uma série de adaptações que o corpo faz (sono, fome, digestão, necessidades etc.).

Hidratação durante a prova. Esta maratona tem uma particularidade de ofertar água de forma muito espaçada no início. Por exemplo, haverá água somente no 5º km, 10º km e depois no 16º km.  Então, recomendamos que o maratonista leve uma garrafinha de água e encha mais um copo. Assim terá maior aporte de água nestes postos mais distantes. 
Depois do 20º km os postos se tornam mais frequentes, mas é importante não deixar o corpo desidratar muito.

Previsão de clima bem frio, com largada a 7º C. Orientamos para que o atleta leve agasalhos velhos e que possam ser descartados após os primeiros quilômetros. Além de não ser saudável passar frio, os calafrios consomem energia e que poderá faltar no final da prova.


 Boa prova!




Crédito da foto: https://www.facebook.com/TCSAmsterdamMarathon


sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Relato de prova: Maratona Internacional da Patagônia

Você já pensou em correr na Patagônia? A gente já e foi até lá!

Além da beleza natural, que dispensa comentários, é preciso ter uma boa estratégia e se preparar bem para um clima frio, entre 2°C  e 7°C, além de ventos fortes.

No dia 27 de setembro estivemos lá acompanhando 9 atletas que encararam esse desafio. Confira abaixo o relato completo da prova com todos os detalhes que você precisa saber.



Prova: Patagonian International Marathon
Data: 27/09/2014
Local: Parque Nacional Torres del Paine – Patagônia chilena
Distância: 10km, 21,1km, 42,2km e 63km
N° de participantes: 1100
Destaque para o nosso atleta Pércio que conquistou o segundo lugar na categoria.

Pontos positivos: Beleza natural com paisagens paradisíacas, percurso, necessidade de elaborar estratégia e harmonia entre os participantes.





Características da prova

A temperatura no início da prova era de aproximadamente 2°C e terminou com aproximadamente 7°C. Ventava muito desde a chegada no ponto de largada, com quase 2h de antecedência, até a conclusão da prova.

O início

O início da prova é dado em diferentes horários: 63 km às 8h, Maratona às 10h, meia maratona às 12h e 10km às 11h. 

O objetivo é  que os grupos cheguem mais ou menos no mesmo horário, visto que o trajeto é o mesmo, apenas partem mais para trás. Com o baixo número de participantes, eram poucos os corredores em cada modalidade, tornando todo o processo muito simples.

Somente quem corre os 63km tem o privilégio de conhecer o lago Grey, onde encontra-se uma geleira muito famosa e todos concluem no início da trilha das Torres del Paine, três picos encobertos por neve que dão nome ao parque onde ocorre o evento.




Para chegar a cada respectiva largada usamos um translado que partiu da cidade de Puerto Natales, US$12,00, que fica a 2h30 de distância do parque.

A altimetria da prova conta com muita subida e descida, sendo raros os momentos planos. O trecho com as maiores subidas encontra-se entre o 21° km e o 10° km seguido pelo pior trecho de descida entre o 10° km e o 7°km. O restante é mais ou menos parecido.


O percurso conta com paisagens lindas compostas, principalmente por montanhas encobertas por neve, lagos e braços de mar azul, animais silvestres, como a alpaca, um animal dócil muito comum na região e, se tiver sorte, poderá ver uma tropa de cavalos selvagens. O piso é de terra em sua maior parte, exceto pontes, feitas em madeira e achegada, que é grama.




Para correr essa prova é necessário elaborar muito bem a sua estratégia, desde o vestuário, até a nutrição. É preciso estar atento aos postos de hidratação, pois haviam apenas 2 postos de hidratação, 1 pouco antes do 21km e outro há 7km da chegada. No entanto, foi avisado que cada atleta deveria providenciar a sua própria hidratação.




Ao terminar a prova fomos recepcionados com churrasco magalhânico: cordeiro assado, praticamente inteiro, em fogo feito no chão (US$30,00).

Magalhânico?
Esse termo magalhânico aparece em quase tudo na Patagônia. É uma homenagem ao Fernão de Magalhães, um navegador português que descobriu um canal que une o pacífico ao atlântico sem ter que passar por baixo do continente e que leva o seu nome, Estreito de Magalhães.



Era muito comum, assim como nas demais provas aqui no Brasil, ver os atletas se ajudando, principalmente com água, tirando fotos durante o percurso e com muita vibração na chegada.





Para chegar à cidade de Puerto Natales, é preciso voar até Santiago, fazer conexão até Punta Arenas, alugar um carro e percorrer 400km. Para ter uma ideia, a viagem durou 22h. Muito longe!


Para ir até a prova foi fácil, o horário de largada estava marcado. Para voltar, era necessário encher o ônibus e, como eram 2h30 de distância houve muito problema, não conosco, mas com outros competidores.







sexta-feira, 26 de setembro de 2014

A variação do desempenho na maratona

Quando um corredor treina com toda a dedicação que uma maratona requer é natural que crie expectativas em relação ao resultado. E neste caso estamos falando de correr para alcançar algum tempo e em muitos casos buscar um recorde pessoal.

De fato, “brigar” com o relógio é um desafio que ajuda a dar aquele gás na motivação!

Foto: Wolfgang Scholvien


Por outro lado, o que muitos corredores não consideram é a possibilidade de haver uma variação no desempenho. Em outros esportes a variação é encarada como algo perfeitamente natural e compreensível.  Como no caso do futebol quando uma equipe perde de outra supostamente inferior. Ou um tenista que deveria ter chegado, no mínimo, na semi-final de um torneio, mas cai logo na segunda rodada. E por aí vai. 
O fato é que o desempenho esportivo varia sim! Inclusive na maratona. Vejamos o caso do Marilson dos Santos, que já chegou a correr  2h06min em NY (uma maratona muito difícil, com diversas subidas) e em Berlim (totalmente plana) com um tempo de 2h09min.

Em outras palavras, em se tratando de maratona também é necessário preparar-se para eventuais oscilações no desempenho.

Se adotarmos os mesmos 3% de variação no tempo final de prova, então um maratonista médio (3h45min) poderá fazer tanto 3h50min como 3h40min.

Em resumo, fica aqui o recado: no dia da maratona o que realmente importa é você fazer o seu melhor! 

Não se entregue! Lute! Terminar uma maratona qualquer que seja já o separa de mais 98% da população mundial e torna o ato de correr 42km um feito e tanto.   


Um excelente prova!
Renato Duta
(Direto Técnico da Run e Fun)